Entidades de caminhoneiros negam boatos sobre nova paralisação

0

Ao contrário do que sugerem uma nota e arquivos de áudio que circulam
no WhatsApp e redes sociais, líderes de diferentes entidades de
caminhoneiros negam uma nova paralisação da categoria para este domingo
(2) ou na próxima segunda-feira (3).



“Quem diz que vai haver uma outra greve definitivamente não quer o bem
do setor”, pondera Claudinei Pelegrini, presidente da Fecam (Federação
dos Caminhoneiros Autônomos do Estado de São Paulo), em entrevista ao R7.



Os avisos compartilhados nas redes sociais dizem que devem se iniciar
“novas paralisações a partir das 0h de domingo e, desta vez, bem mais
organizadas e ordeiras”. Os autores dos comentários ainda completam que
“não vai rodar nada — nem carro pequeno e nem ônibus”.



Segundo Pelegrini, que negociou as reivindicações da classe junto ao
governo federal durante a greve que parou o país no último mês de maio,
os arquivos compartilhados nas redes datam de três meses atrás e foram
“ressuscitados” por mal-intencionados.


“São áudios de intervencionistas. Nós não discutimos mais com o governo
Temer, que está terminando. Se houver qualquer debate, será com o
próximo presidente”, diz. “O que nós não podemos aceitar é que, num
momento importante como este, em que observamos verdadeiras mudanças no
setor do transporte de cargas, pessoas alheias à nossa área usem os
caminhoneiros como massa de manobra para pressionar os políticos”,
reforça o presidente da Fecam.



O presidente da Fenacat (Federação Nacional das Associações de
Caminhoneiros e Transportadores), Luiz Carlos Neves, concorda que a
possibilidade de greve é remota: “Eu também recebi esses arquivos, mas
não existe nada de concreto. Há discordâncias dentro da categoria e eu
não acho que esse seja o momento de parar. O Temer sancionou as leis em
relação àquilo que foi reivindicado”. 



Reivindicações de maio


No dia 27 de agosto, o presidente Michel Temer converteu em lei as medidas provisórias
do pacote de ações negociadas com caminhoneiros em maio. A primeira
delas estabelece a isenção de de pedágio para os “eixos suspensos” —
como são chamadas as rodas das carretas que não tocam no chão quando o
caminhão está vazio. Antes, o benefício valia apenas nas rodovias
federais. Agora, passa a vigorar também nas vias estaduais, distritais e
municipais, inclusive as concedidas.



“Um caminhão que vai do interior de São Paulo até Santos hoje economiza
cerca de R$ 3 mil só pelos eixos erguidos. Isso é o valor da parcela de
um caminhão novo”, diz Pelegrini.



O líder da Fecam completa ainda que foi sancionada também a Política de
Frete Mínimo para o Transporte Rodoviário de Cargas: o texto cria as
regras para que a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres)
defina o piso mínimo dos fretes, levando em conta fatores como os custos
referentes ao óleo diesel, pedágios e especificidades das cargas.



“Em dezembro, essa tabela de frete vai ser reajustada novamente. Além
disso, continuamos com 46 centavos de desconto no litro do óleo diesel.
Nossa pauta já foi atendida. Qualquer negociação deve ser feita com o
próximo governo. Agora, é importante que a ANTT acompanhe a aplicação
das medidas em convênio com agências de fiscalização estaduais de todo o
país”, aponta Pelegrini.



Empecilhos na fiscalização


De acordo com Luiz Carlos Neves, da Fenacat, os caminhoneiros planejam
se reunir em Brasília, na frente da ANTT, no próximo dia 12 de setembro.
“A ideia é justamente falar sobre a tabela do frete. É difícil dizer
com certeza se o piso está sendo cumprido porque isso, hoje, depende
muito do caminhoneiro”, diz.



Para Neves, uma paralisação às vésperas das eleições seria inviável:
“Estamos em compasso de espera para ver o que a ANTT vai aplicar. A
decisão de parar agora não ajudaria em nada porque esse governo está no
fim. Seria imprudente fazer uma greve. Quem é que ia resolver as
negociações depois?”, finaliza.

Campanha CLDF

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui