Desafio é fazer caber presos. Críticas se espalham por vários batalhões

0

Em apenas um mês de uso, as 299 novas viaturas da Polícia
Militar já são alvo de críticas. Policiais revelam que os cubículos dos
carros – modelo ASX, da Mitsubishi – não conseguem transportar mais que
dois presos e, a depender do porte físico, somente um. Caso se trate de
ocorrência grande, é preciso pedir ajuda a outras equipes que estejam
com carros maiores. Outro problema é o local onde o estepe é guardado:
ao lado do cubículo, ocupando o espaço que já é pequeno. Apesar da
insatisfação do pessoal, a Polícia Militar alega que houve um estudo
antes da compra, e o modelo está apto para o policiamento.


As quase 300 viaturas custaram mais de R$ 30 milhões – cada tem o
valor de R$ 106.311,10. Um policial militar relata que a crítica é
unânime em todo o seu batalhão. “O modelo não funciona para a nossa
atividade. Anda bem, tem estabilidade, mas não tem cubículo. Aquilo é
uma gaiola pequena. Só cabe um e não tem como ir com as pernas esticadas
ou numa posição confortável. O preso só pode ir de cócoras ou
ajoelhado”, ilustra.


Para ele, o que era para ajudar acabou complicando. “Por exemplo,
quem está no Linea (Fiat) tem o costume de pedir apoio. Como vamos
conseguir apoiar a condução se a nossa viatura não tem esse aporte?”,
questiona. “A gente tem que contar com a Pajero. Estamos tirando uma
viatura que poderia estar patrulhando para poder dar o apoio”, completa.
No caso das Pajeros, é possível que quatro detidos se acomodem no
cubículo.


A situação se torna ainda mais delicada depois que o Conselho de
Direitos Humanos do DF questionou o uso. “A gente nem coloca preso lá
dentro porque sabe que pode dar problema. Se colocarmos, corremos risco
de sofrer com um processo de tortura”, afirma o policial. “Se for
claustrofóbico, pode morrer de desespero lá. Não há condições de
transportar ninguém”, reforça.


Para o militar, não há justificativas para a presença do pneu no
porta-malas. “Foi uma exigência da corporação, porque disseram que o
estepe original era mais fino. Só que nós nem trocamos pneu. Se der
problema, a gente aciona o pessoal da manutenção. Os estepes da Pajero,
por exemplo, ficam na garagem, nem saem”, comenta. “Era mais fácil
adaptar. Tirar aquele pneu, aquela gaiola e adaptar todo o porta-malas.
Era mais inteligente”, sugere.


Readequação

Vice-presidente da Associação dos Praças Policiais e Bombeiros
Militares do DF, o sargento Manoel Sansão reconhece que o espaço pequeno
para transportar os detentos pode, inclusive, afetar a produtividade.
“As outras viaturas conseguem pegar até quatro pessoas de uma única vez.
Com essas, se tivermos uma ocorrência de grande vulto e apreensão, não
vai ter como. Vai ser preciso deslocar outras viaturas que poderiam
estar atendendo outras ocorrências”, reitera.
O porta-malas original da ASX tem um volume de 415 litros. Com pneu, cai
para 380 litros – uma redução de 8% da capacidade. Quando comparado com
o volume da Pajero, o novo modelo sofreu uma redução de 67% da
capacidade – se levar em consideração que o porta-malas da Pajero tem um
compartimento total de 1.160 litros. Já a GM Blazer, modelo ainda mais
antigo, tem 435 litros no porta-malas – 15% a mais que o volume da ASX.


Para Sansão, o melhor seria a readequação e, em caso extremo, a
compra de novos carros. “Se o cubículo está ruim, tem de se ser adequado
para atender aos policiais e à sociedade. A Polícia Militar tem que
fazer pesquisa antes de comprar, porque é o policial que está na rua e
sabe qual o melhor carro para uso. É adaptar o espaço ou comprar novas”.


Ponto de vista

Em nota, a Polícia Militar defendeu a compra. A corporação alegou que
o modelo ASX passou por avaliações, como a segurança do policial e o
desempenho do carro para a atividade, antes da aquisição. “Essas
questões são avaliadas por uma comissão de estudo designada pelo
Estado-Maior da Corporação. O modelo ASX possui o centro de gravidade
relativamente baixo, propensão de capotagem moderada (17%), bom
desempenho técnico, boa capacidade para situações fora de estrada e para
áreas esburacadas, espaço interno reforçado, adequado para guarnições e
para transporte de pessoas detidas, entre outros”, alega.


A polícia diz ainda que o compartimento para transportar os detidos
possui todas as características que atendem a Lei 8.653/93. “Ventilação
natural, iluminação natural, divisória entre o compartimento de bagagens
e passageiros, proteção do assoalho, laterais e teto em fibra ou
material plástico de alta resistência virtualmente indestrutível pela
ação de um homem adulto sem ferramentas, porta grade com fecho externo
que proteja a porta original do veículo”, afirma, em nota.


Sobre os estepes, a PM informou que, por conta da atividade policial,
os pneus precisam ter medidas específicas e, muitas vezes, serem
reajustados – como aconteceu com as viaturas modelo ASX. “O estepe
precisou ser reposicionado para que fosse cumprido o exigido na lei e
para que ficasse resguardada a segurança dos policiais”.


De acordo com o porta-voz da corporação, major Michello Bueno, a
Polícia Militar possui variados modelos de viaturas que conseguem
atender todas as ocorrências. “Temos viaturas com cubículos grandes, sem
cubículos e com cubículos pequenos. A maior parte das ocorrências é de
menor potencial ofensivo, como discussão de vizinhos, acidente de
trânsito. São ocorrências resolvidas no local e que não há prisões”,
argumenta.


Em casos de ocorrências com grande apreensão, o major garante que a
PM estará preparada para o transporte. “Todo batalhão tem viatura com
cubículo grande. Há casos em que o preso pode ir no banco de trás, por
não apresentar periculosidade. Não há nada ilegal. Estamos dentro do
padrão exigido pela lei”, assegura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui