Pedras podem atrapalhar leilão da Ferrovia Norte-Sul

0

Nem as pedras lançadas sobre os trilhos da Ferrovia Norte-Sul escapam
de problemas. A brita colocada em um trecho de 141 km de extensão que
acaba na cidade de Estrela D’Oeste (SP) é inadequada para aguentar o porte da ferrovia
e da carga que passará sobre ela, segundo auditoria do TCU (Tribunal de
Contas de União), que se baseou em estudos técnicos do IPT (Instituto
de Pesquisas Tecnológicas).



A troca das pedras — que exigiria a desmontagem e remontagem de tudo —
custaria R$ 103 milhões, levaria 32 meses, e pode atrapalhar os planos
do governo de leiloar a ferrovia ainda este ano.



Para agravar a situação, esse lote está com 97% de sua estrutura
pronta, com dormentes e trilhos instalados. O erro foi detectado pelo
IPT há dois anos, mas as pedras continuaram lá. O TCU exigiu que a
Valec, estatal responsável pelas obras da ferrovia, aponte uma solução
para o caso.



A área técnica do tribunal analisou a situação e determinou que a  ANTT
(Agência Nacional de Transportes Terrestres) ache uma saída para o caso
antes de publicar o edital definitivo do leilão.
“A depender da solução a ser adotada para o problema, haverá
consequências financeiras e de prazo para a subconcessão” afirma o
parecer do tribunal.



Como a troca da brita está fora de cogitação no momento, dado que o
governo pretende licitar a Norte-Sul ainda neste ano, o TCU destacou que
é preciso informar aos investidores que a pedra de baixa qualidade
poderá refletir no aumento de manutenção da ferrovia, ou seja, mais
investimentos no traçado — uma conta que chega a R$ 2,5 bilhões.



As pedras do lote 5 da Norte-Sul foram lançadas entre 2009 e 2010,
quando a estatal era dirigida por José Francisco das Neves o Juquinha,
que em 2011 chegou a ser preso pela Polícia Federal em decorrência de
investigações que apuravam desvio de recursos e superfaturamento nas
ferrovias.



Edital


O caso das pedras da Norte-Sul é um dos pontos analisados agora por
Júlio Marcelo de Oliveira, procurador do Ministério Público junto ao
TCU. Na próxima semana, ele deve entregar seu parecer sobre a minuta do
edital da Norte-Sul para que a proposta seja analisada pelo ministro
Bruno Dantas.



O trecho que será concedido tem 1.537 km de extensão e vai de Porto
Nacional (TO) até Estrela D’Oeste. Hoje, a ferrovia tem um único trecho
de 720 km em operação, entre Açailândia e Palmas (TO), concedido à
mineradora Vale em 2007. Iniciada em 1987 no governo de José Sarney com a
meta de cruzar o País, a obra ficou parada por décadas e foi retomada
no governo Lula.



Questionada, a ANTT informou que analisa a possibilidade futura de se
fazer reequilíbrio financeiro previsto no contrato ou ajustes nos
investimentos. Paralelamente, a agência precisa resolver ainda a
situação da brita do lote 4, que chegou a ser comprada, mas não foi
lançada no trecho, por conta dos problemas identificados.



A Valec informou, em nota, que “está procedendo a novos ensaios
laboratoriais para identificar as condições da brita em relação a sua
vida útil, bem como a segurança operacional da via para que se possa
definir quais medidas serão tomadas quando da subconcessão do trecho”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui