Narguilé pode causar câncer e outras doenças

0
Um hábito crescente, sobretudo entre os jovens, o uso do narguilé representa um grande perigo à saúde. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que apenas uma hora de uso equivale a tragar 100 cigarros. O consumo pode levar ao aparecimento de câncer de pulmão, doenças cardíacas e respiratórias, além de também causar dependência.
O aparelho é um tipo de cachimbo de água, de origem oriental, destinado a fumar tabaco aromatizado. É muito utilizado por hindus, persas e turcos. Mas, já disseminado por todo o mundo, o objeto é constituído de um fornilho, um tubo longo, pelo qual passa a fumaça antes de chegar à boca, e um pequeno recipiente, originalmente usado para armazenar água perfumada.
De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), em 2015, 212 mil brasileiros eram usuários. Desse total, 63% tinham de 18 a 29 anos. Cada uso pode durar, em média, de 20 a 80 minutos.
 “O principal problema do uso de narguilé é desenvolver a dependência da nicotina, uma vez que, no tabaco do narguilé, há maior concentração da substância. Também temos uma grande inalação de CO2 (dióxido de carbono ou gás carbônico) e outros tóxicos, como no tabaco”, alertou o médico da Secretaria de Saúde, Carlos Viegas.
PERIGO – De acordo com o Ministério da Saúde, a substância contém nicotina e outros 4.700 ingredientes tóxicos. Após uma sessão de 45 minutos, aumentam a concentração de nicotina e monóxido de carbono no organismo. Com isso, os batimentos cardíacos se aceleram e ainda ocorre uma exposição intensa a metais pesados, altamente tóxicos e de difícil eliminação, como o cádmio.
“A fumaça do narguilé tem as mesmas substâncias tóxicas que a fumaça do cigarro e algumas até em maior concentração. Por isso, seu uso crônico pode desencadear as mesmas doenças que o uso do cigarro”, alertou o médico.
Outra preocupação de Viegas é que muitos usuários de narguilé misturam maconha ao tabaco e, em vez de água, colocam bebida destilada, como vodca. “Dessa maneira, os efeitos podem ser ainda mais devastadores, porque a pessoa estará usando três drogas ao mesmo tempo: nicotina, maconha e álcool”, concluiu.
AUXÍLIO  A Secretaria de Saúde do DF conta com o Programa de Controle do Tabagismo, que segue orientação do Instituto Nacional do Câncer (Inca/MS). A ação promove e potencializa ações educativas, de comunicação, de atenção à saúde, com ações legislativas e econômicas para prevenir a iniciação ao tabagismo, promover sua cessação pelos fumantes e proteger a população dos riscos do tabagismo passivo.
O tratamento é realizado em grupo, com quatro encontros semanais, acompanhado por médico e equipe de saúde. O trabalho é baseado em ações cognitivo-comportamentais e medicamentosas, se necessário. O paciente interessado em parar de fumar deverá ligar e fazer sua inscrição nas unidades mais próximas da sua residência ou trabalho. Saiba mais aqui.
Ailane Silva, da Agência Saúde

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui