Massacres nos EUA são destaque nos maiores jornais norte-americanos

0

Após 2 assassinatos em massa durante o fim de semana nos Estados Unidos, o tema foi destaque nos maiores jornais do país nesta 2ª feira (5.ago.2019). Os ataques ocorreram em 1 intervalo de 13 horas e deixaram 29 mortos.

O New York Times relatou que o país vive 1 surto de massacres.  “No domingo, os norte-americanos acordaram com a notícia de 1 tiroteio em 1 distrito de entretenimento em Dayton, Ohio, onde 1 homem usando uma armadura matou 9 pessoas, incluindo sua própria irmã. Horas antes, 1 jovem de 21 anos com 1 rifle entrou em 1 Walmart em El Paso e matou 20”.

O Boston Globe publicou uma capa com o título “É isso que nos tornamos”, acompanhada de fotos dos massacres.

O New York Post fez 1 editorial pedindo maior controle na venda de armas ao presidente norte-americano, Donald Trump.

Tiroteios nos últimos 20 anos

O Axios publicou análise nesta 2ª feira relacionando o aumento no número de massacres armados no país ao “acirramento do ódio” na população.

88 fuzilamentos em massa, com 736 mortos. A legislação norte-americana considera assassinato em massa quando ao menos 3 pessoas, fora o assassino, são mortas num mesmo incidente. Um gráfico enviado pela newsletter mostra o alcance de cada 1 dos massacres.

De acordo com a publicação, nos últimos 18 meses, “brancos-extremistas” foram responsáveis por 63 mortes em 7 episódios, incluindo os ataques do último fim de semana.

Repercussão

Donald Trump publicou em seu perfil no Twitter que o ataque em El Paso foi “trágico” e “covarde”.  Afirmou ter conversado com o governador texano, o republicano Greg Abbott, e prometido o apoio do governo federal.

Também elogiou a atuação da polícia nos 2 casos. “Deus abençoe o povo de El Paso, Texas. Deus abençoe o povo de Dayton, Ohio”, escreveu.

Na manhã desta 2ª feira, Trump escreveu que “a mídia tem uma grande responsabilidade para com a vida e a segurança” dos Estados Unidos. Afirmou que as notícias falsas têm contribuído “muito para a raiva”. “A cobertura de notícias tem que começar a ser justa, equilibrada e imparcial, ou esses problemas terríveis só vão piorar!”, escreveu.

O senador republicano Ted Cruz classificou os massacres como atos hediondos de “terrorismo e supremacia branca”.

Democratas se manifestaram após os ataques exigindo leis de armas mais rigorosas e acusaram Trump por alimentar tensões raciais no país.

  • Joe Biden(pré-candidato) – “Quantas vidas devem ser interrompidas? Quantas comunidades devem ser separadas? Já passou da hora de agir e acabar com a epidemia de violência armada”, afirmou em seu perfil no Twitter;
  • Kamala Harris (pré-candidata) – “Não nos faltam boas ideias quando se trata de reformas de segurança de armas. As pessoas não têm é coragem de agir. É por isso que, quando eleita presidente, estarei preparada para tomar medidas e salvar vidas”, publicou em seu perfil no Twitter;
  • Beto O’Rourke (pré-candidato) – “Ele [Trump] é abertamente e declaradamente racista e está encorajando mais racismo neste país. E isso não só ofende a nossa sensibilidade, isso muda fundamentalmente as características deste país e o leva à violência”, disse à CNN;
  • Bernie Sanders (pré-candidato)  “Todos na América, inclusive eu, ficamos arrasados com a notícia do último ataque em El Paso. Infelizmente, depois de cada uma dessas tragédias, o Senado não faz nada. Isso tem que mudar”, afirmou.
  • Cory Booker (pré-candidato) – disse à CNN que “Donald Trump é responsável por isso”. “Suas palavras foram alimentando a supremacia branca e dando licença a ela, e nós estamos vendo os resultados horríveis desse ódio hoje”;
  • Elizabeth Warren  (pré-candidata) – “A supremacia branca é uma ameaça doméstica de terrorismo, da mesma forma que o terrorismo estrangeiro ameaça nosso povo”, publicou em seu perfil no Twitter;

O CEO da Apple, Tim Cook, escreveu em seu perfil no Twitter que está de “coração partido com o que está acontecendo” nos Estados Unidos. “A definição de insanidade é fazer a mesma coisa e esperar resultados diferentes. É hora de pessoas boas com visões diferentes pararem de apontar os dedos e se unirem para enfrentar essa violência pelo bem do nosso país”, afirmou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui