Samu recebe 26 mil trotes em cinco meses

0
18

Um certo dia, reguladores do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) receberam uma chamada: alguém estaria se afogando no Lago Paranoá. Uma equipe de atendimento foi, de helicóptero, até o local, mas não havia ocorrência. Era trote, um tipo de ligação recorrente no serviço, que acaba atrapalhando a assistência a quem realmente precisa.

Somente nos primeiros cinco meses deste ano, dentre as cerca de 300 mil ligações recebidas pelo serviço, 26.223 eram trotes. A maior parte deles ocorreu em janeiro (6.662), durante as férias escolares. Segundo o Samu, a expectativa é de que, em julho, os números sejam semelhantes.

“Por isso, é importante que os pais conversem com as crianças, explicando que enquanto elas brincam com esse tipo de ligação, pessoas estão sendo prejudicadas pela falta do atendimento. Esse tipo de conversa faz parte das orientações que passamos dentro do projeto Samuzinho”, orienta o médico e diretor do Samu, Alexandre Garcia.

IDENTIFICAÇÃO – Em boa parte dos casos, a equipe do Samu consegue identificar o trote antes do deslocamento de equipe. “Inicialmente, pelos técnicos auxiliares de regulação médica, quando as informações passadas pelo solicitante não são coerentes, como endereço inconsistente. E também pelos médicos, quando há incoerência da queixa clínica, a vítima não se encontra no local e faltam informações sobre o solicitante”, enumera Alexandre.

Quando esses filtros não são suficientes, a viatura acaba se deslocando para uma ocorrência com vítima inexistente, identificando o trote apenas na chegada ao local. Além de tirar a vez de quem realmente precisa, ainda há o gasto desnecessário do recurso público.

Em todo o ano de 2018, das 903 mil ligações recebidas pelo Samu, 78 mil foram trotes. Entre janeiro e maio daquele ano, foram mil a menos do que no mesmo período de 2019: 25 mil ligações com vítima inexistente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui